BRUNO CATIVO – REALIZADOR/ ARGUMENTISTA

bruno cativo

by António Carlos Castro

Entrevista ao realizador/ argumentista da longa-metragem “E Amanhã

 

PF – Bruno, fala-nos de como surgiu a ideia para escreveres e realizares o “E Amanhã” ? 

BC Esta história começou a ser escrita à 5 anos atrás, tinha 19 anos e estava a frequentar o meu primeiro ano da licenciatura de cinema na Universidade Lusófona. A história primeiramente tinha cerca de 16 páginas e era apenas digamos que um conto/argumento. Depois ficou três anos na gaveta a amadurecer. À mais ou menos um ano atrás voltei a ler a história e comecei a transformá-la em guião. Foi um processo que levou mais ou menos 6 meses. Quando terminei, falei prontamente com o Pedro Barroso(actor principal), apresentei a história ele leu a primeira versão de 16 páginas e disse-me que gostava muito de ler o guião. Então a partir desse momento tudo começou a crescer e surgiu a hipótese de realizar a minha primeira longa-metragem.

PF- Diz-nos quais os realizadores que te servem de inspiração

BC – É difícil enumerar, são muitos! Mas aqueles que me inspiram mais são, Godard, David Lynch, Stanley Kubrick, Kim Ki-Duk, Nanni Moretti, Christopher Nolan, Darren Aronofsky, Lars Von Trier, Takashie Miike, Kusturika e Fellini.
PF – Alguns dos actores que entram no filme são bastante conhecidos do publico. Como foi feita a escolha dos actores?

BC- A escolha dos actores foi simples. Queriam que fossem tão jovens quanto eu no mundo do cinema. O Pedro Barroso a meu ver tem um enorme potencial e uma margem de progressão enorme e rápida se lhe for permitido e dada confiança, é uma pessoa que se interessa muito por aquilo que faz e tem sempre uma postura muito humilde e consciente para além de ser um verdadeiro aventureiro, faceta que confesso foi a que mais me surpreendeu perante os obstáculos que foi encontrando e contornando com grande mestria. A Diana Nicolau foi uma sugestão do Pedro, e como depositava imensa confiança nele aceitei o desafio e o resultado foi maravilhoso e surpreendente porque era uma desconhecida e superou as minhas expectativas. É também uma jovem actriz a ter em atenção! O João Perry, leu o meu guião confessou que gostava da intensidade da história e que estaria disposto a ajudar. Foi sem dúvida uma mais valia, motivando ainda mais toda a equipa técnica e os actores que já faziam parte do casting do filme. A Joana Fonseca Tavares conhecia-a do teatro amador, fiz-lhe o convite para o casting e acabou por ser a escolhida, sendo a primeira vez que fez cinema. A Lena Jesus, tem um pequeno papel e foi uma espécie de prenda porque estudou representação e nunca exerceu essa função porque no seu tempo não era uma profissão bem vista na sociedade portuguesa.

 

PF – Como foi trabalhar com um grande ator como João Perry ?

BC – Trabalhar com o João Perry foi fácil. É um actor que lê o guião e cria o seu personagem, depois questiona o realizador sobre tudo mas tudo mesmo. Chegando ao ponto de querer saber mais do que aquilo que o próprio guião nos pode alguma vez contar, confesso ser um exercício brutal e exaustivo de criatividade.
PF – Quais foram as maiores dificuldades que encontraste durante a realização do filme?

BC – Não encontrei dificuldades na realização do filme. Desde o início, todos nós sabíamos que não havia dinheiro mas existia uma coisa muito importante força de vontade e o amor pelo projecto.
PF – Estando o cinema português passando actualmente por tantas dificuldades, especialmente no que se refere a apoios,  e sendo o “E Amanhã” uma longa-metragem, como foram conseguidos os meios para a produção deste filme?

BC – É verdade que o cinema em Portugal está a passar por dificuldades. É verdade também que sempre foi difícil fazer cinema em Portugal quando não tens nome e apenas contas com uma ideia que consideras boa. Portanto se continuarmos a pensar que tudo está mal e ficarmos sentados à espera que nos saia o Euromilhões, morremos frustrados. A força de vontade e o empreendedorismo têm cada vez mais de ser, um dos nossos focos na sociedade actual. Nunca ninguém deu nada a ninguém de mão beijada e as coisas não vão mudar, portanto se querem fazer filmes invistam o amor que eles precisam e sejam cientes de que o não é garantido, o resto logo se vê. Acreditar e não desistir até ao fim são as palavras de ordem.
PF – Menciona duas ou três características que o “E Amanhã ” tenha, que motive o público a assistir ao mesmo

BC– Três características que motivem o público a assistir ao filme.. Uma excelente representação do actor Pedro Barroso. Uma história muito intensa e um final surpreendente. 
PF – Onde e quando poderemos ver o filme?

BC – O filme está agora a tentar ganhar currículo nos festivais de cinema independente e, de primeiras e segundas obras. Tanto a nível nacional como internacional. E amanhã logo se verá.
PF – Vais tentar a distribuição internacional ?

BC – Distribuição internacional? Sim vamos tentar tudo, dentro dos possíveis mantendo sempre os pés bem assentes no chão.
PF – Que género de filme gostarias de realizar?

BC – Há filmes bons em todos os géneros. Confesso que o thriller e o humor negro são os meus géneros preferidos mas gostava muito de realizar um série Z ao estilo Robert Rodriguez. 
PF – Quais são os teus próximos projectos?

BC – Realizar uma longa-metragem por ano são os meus objectivos quanto a próximos projectos, há muita história guardada na gaveta.

 

Comente

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ao continuar a navegação no site, está a aceitar o uso de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar