Carlos Vaz – Produtor, realizador, ator e argumentista

carlos vaz

by Ana Carrilho (ana.carrilho@portugalfantastico.com)

Estivemos à conversa com o encenador, realizador, dramaturgo, ensaísta e argumentista Carlos Vaz. Também proprietário na TELECINE BISSAU Produções LDA, Presidente do instituto do Cinema e Audio-Visual e Professor universitário na Lusófona da Guiné.

Com um livro publicado ” Para um único conhecimento do Teatro Africano” e o seu trabalho mais recente como co produtor ao lado do realizador João Viana, em Tabató.

Esteve presente no Festival Festin, luso independente e trouxe-nos um trabalho seu, Sexo Amor e SIDA uma curta-metragem do seu país Guiné-Bissau, que passou na sessão de curtas no dia 7 de Abril.

Autor de várias peças teatrais desde os anos 80. Viveu na Suécia, em Cabo Verde, também em Portugal, onde estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema em Lisboa e na Univ. Nova, em Comunicação.

PF: Sendo assim, chegou a trabalhar com ceneastas e actores portugueses nessa mesma altura?

Carlos Vaz: Sim, trabalhei com o realizador To-Zé Martinho, para a Atlantida; com o realizador António Pedro Vasconcelos, Nicolau Breyner e agora João Viana e outros…

PF: Trabalhou como realizador e actor na curta-metragem Sexo Amor e SIDA, sentiu alguma dificuldade?

Carlos Vaz: A conjuntura é que obriga a existirem dificuldades. Trabalhámos sem apoios do estado e sem orçamento, e tudo pela minha produtora TELECINE.

PF: Têm participado em festivais além do Festin?

Carlos Vaz: Participámos no Festival de Cinema Clap Ivoire da Costa do Marfim, e à actriz Dina Adão foi-lhe atribuído o prémio de melhor interpretação feminina. É um festival anual que reúne 16 países africanos de língua portuguesa, que participam com curtas-metragens. É dificil fazer cinema em Africa por falta de meios. Este festival como todos os festivais, é sempre uma motivação á criação. A minha produtora TELECINE foi depois contactada e convidada a participar no Festin. Temos intenção de levar o Sexo Amor e SIDA a mais festivais, o optimismo e a motivação é muita.

PF: Na Guiné-Bissau não existem apoios para a indústria cinematográfica?

Carlos Vaz: Não há apoios,não temos apoio estatal, muito menos organizações que colaborem. Por duas razões, falta de sensibilidade e falta de recursos.

PF: Apesar de toda a violência visionada na curta Sexo Amor e SIDA, vence a solidariedade humana. Porque o pensou fazer assim e não teve outro final?

Carlos Vaz: A ideia e a intenção deste filme é transmitir uma mensagem às pessoas, não se trata da informação, porque sendo um país muito ou pouco esclarecido as pessoas já sabem os métodos de prevenção do HIV.

A mensagem do filme é a valorização do relacionamento. No filme a informação fica de lado e a relação daquele casal e a cumplicidade está em primeiro lugar.

O filme não tem um final, é épico, brechtiano. Como brecht, a intenção é através deste trabalho expor a minha crítica e pensamento sobre este problema social.

PF: Como é que se preparou para vestir um personagem que descobre estar infectado com o HIV?

Carlos Vaz: Este personagem foi imaginado por mim, logo não senti dificuldade, fui eu que o imaginei. O personagem tem dupla personalidade, começa imparcial no escritório, já o vemos incomodado no carro a caminho de um café, inseguro e depois muito perturbado e desconfiado da fidelidade da sua mulher. Em todo o enredo existe um sentimento de culpabilidade.

A curta-metragem teve origem numa peça, foi quase sempre ensaiada em minha casa com a minha colega e actriz Dina Adão. A intenção foi estrear a peça no dia Mundial da Sida e assim o fizemos. Convidámos organizações inter-ligadas a este problema social. A curta-metragem surge depois daqui.

PF: O Portugal Fantástico é uma das iniciativas que está a divulgar o cinema com origem nos PALOP´S. Na sua opinião quais são os benificios dessa divulgação no nosso país?

Carlos Vaz: É sempre positivo, muito até, precisamos dessa mesma divulgação, para conhecerem-nos e ao nosso trabalho. Somos profissionais, com poucos recursos, e sem nenhum apoio, e era mesmo importante a esse nível.

Obrigada, Carlos Vaz pela sua participação com o Portugal Fantástico. 

 

Comente

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ao continuar a navegação no site, está a aceitar o uso de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar